Bula de Remédio: Clorpromazina


_

AMPLICTIL®, CLOPSINA®,CLORPROMAZ®, Longactil®.

Receituario Especial

GRUPO FARMACOLÓGICO
Antipsicótico típico e anti-hemético; antagonista dos receptores D2 dopaminérgicos.

APRESENTAÇÕES E PREÇOS COMERCIAIS
Cpr de 25 (20 cpr R$ 4,06) e 100 mg (20 cpr R$ 6,07); amp de 5 mL com 25 mg (5 amp R$ 8,72); fr de 20 mL (1 gt = 1 mg) (R$ 4,89).

APRESENTAÇÕES/PREÇOS FARMÁCIA POPULAR
Cpr de 25 (1 cpr R$ 0,10) ou 100 mg (1 cpr R$ 0,12).

USO
Esquizofrenia, mania com psicose, depressão com psicose, psicoses na infância, agitação em pacientes com retardo mental, náuseas e vômitos, soluços, porfiria aguda intermitente.

CONTRAINDICAÇÃO
Depressão do sensório ou coma.

POSOLOGIA
Adultos. VO: iniciar com doses baixas, em 2-3 tomadas diárias, e aumentar gradualmente de acordo com as necessidades do paciente. A dose usual é de 400-600 mg, 1x/dia. Alguns pacientes podem requerer doses altas, como 1-2 g/dia. IM: iniciar com 25 mg. Esta pode ser repetida em 1-4 h. Dose usual de 300-800 mg/dia. Crianças. VO: 0,5-1 mg/kg/dose a cada 4-6 h. IM: 0,5-1 mg/kg/dose a cada 6-8 h. Náuseas e vômitos: 0,5-1 mg/kg/dose, VO, a cada 4-6 h, ou IM/EV a cada 6-8 h.

MODO DE ADMINISTRAÇÃO
VO, IM ou EV. As formulações líquidas não devem ser misturadas com café, chá, refrigerantes do tipo cola e cerveja sem álcool. A administração IM deve ser profunda e no glúteo.

EFEITOS ADVERSOS
Convulsão, tontura, distonias, sedação, acatisia, pseudoparkinsonismo, discinesia tardia, síndrome neuroléptica maligna, taquicardia, arritmias, palpitação, hipotensão postural, alterações no intervalo QT, constipação, icterícia, pigmentação cutânea, urticária, fotossensibilidade, leucopenia, agranulocitose, anemia hemolítica, eosinofilia, impotência, retenção urinária, visão borrada, pigmentação da retina, glaucoma.

RECEITUÁRIO
Receita de Controle Especial em duas vias.

COMENTÁRIO
• Deve-se evitar o contato com a pele tanto da solução oral, quanto da injetável, pelo risco de dermatite de contato.
• A clorpromazina deve ser usada com muita cautela em idosos devido aos seus efeitos anticolinérgicos e hipotensores.
• A dose inicial e de manutenção deve ser menor do que as recomendadas para os adultos.
• Em pacientes epilépticos, há maior risco de piora das crises convulsivas e há interação entre a clorpromazina e os anticonvulsivantes.
• Usar com cautela em indivíduos com supressão de medula óssea.
• Interfere nos testes de gravidez, que podem apresentar resultado falso-positivo.
• Recomenda-se a realização de hemograma completo, provas de função hepática e ECG.



Categoria: Medicamentos.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>