Bula de Remédio: Itraconazol


_

Itrahexal®, Itramicos®, Itraspor®, Itrazol®, Miconal®, Sporanox®, Tracnox®, Traconal®, Traconax®, Tracozol®.

GRUPO FARMACOLÓGICO
Antifúngico.

APRESENTAÇÕES E PREÇOS COMERCIAIS
Cps com 100 mg (4 cps R$ 29,67).

APRESENTAÇÕES/PREÇOS GENÉRICOS
Cps com 100 mg (4 cps R$ 27,90).

ESPECTRO
Blastomyces dermatitidis, Cryptococcus neoformans, Histoplasma capsulatum, Aspergillus sp., Candida sp. (cerca de 30% das cepas de Candida tropicalis são resistentes), Tinea versicolor, Sporothrix schenckii, Paracoccidioides brasiliensis, Coccidioides immitis, Fonsecaea pedrosoi, Fonsecaea compactum, Penicillium marneffei e agentes da feo-hifomicose (Cladosporium, Exophiala, Exserohilum, Bipolaris, Alternaria, Curvularia, Wangiella). Leishmania mexicana, Leishmania tropica e Leishmania major também são sensíveis.

USO
Micoses superficiais, incluindo dermatofitoses, onicomicoses, candidíase oral, vaginal e mucocutânea e tinha versicolor. É útil no tratamento da esporotricose, paracoccidioidomicose, cromomicose, coccidioidomicose, histoplasmose, blastomicose e na criptococose sem envolvimento do SNC. Boa atividade na aspergilose. Eficaz contra a forma cutânea de leishmaniose. Não é recomendada para o tratamento de micoses que envolvam o SNC, pois sua penetração nesse local é pequena.

CONTRAINDICAÇÃO
Hipersensibilidade aos componentes da fórmula.

POSOLOGIA
A dose varia entre 100-400 mg/dia. Doses de até 200 mg podem ser administradas uma única vez ao dia; doses > 200 mg devem ser administradas 2x/dia. Aspergilose: é considerada droga de 2a linha, e a dose varia entre 100-200 mg, a cada 12 h, por 1 ano (em situações especiais pode-se considerar doses superiores, principalmente no início do tratamento). Candidíase oral refratária ao fluconazol: 100 mg, a cada 12 h, por 1-2 semanas; na esofágica: 100-200 mg/dia, por, pelo menos, 3 semanas. Coccidioidomicose: 400 mg/dia, por 9-12 meses (nos casos graves, ataque com 200 mg, a cada 8 h, por 3 dias). Cromoblastomicose: 100 mg/dia, por 18 meses ou até melhora clínica. Esporotricose linfocutânea: 100-200 mg/dia, por 3-6 meses; na óssea ou pulmonar: 200 mg, a cada 12 h, por 1-2 anos (em casos graves, começar com anfotericina B); na esporotricose associada à AIDS: manutenção com 200 mg até reconstituição imunológica. Criptococose sem envolvimento do SNC: 200-400 mg/dia, por 6-12 meses (considerar manutenção até reconstituição imunológica nos indivíduos HIV–positivo). Histoplasmose: a dose varia de acordo com o local de envolvimento. Nos casos graves, o início do tratamento é com anfotericina B (ver em Anfotericinas) até melhora clínica (geralmente em 2 semanas) e, após, manutenção do tratamento com itraconazol (ver, a seguir, o tempo de tratamento). Nos casos leves a moderados, o tratamento começa com itraconazol, na dose de 200-400 mg/dia. Na forma aguda pulmonar, com sintomas que persistem por mais de 4 semanas, o tratamento deve ser por 6-12 semanas; na forma pulmonar crônica, por 1-2 anos; na mediastinite, por 6-12 meses; na disseminada, 6-18 meses; na associada à AIDS, ataque com 200 mg, a cada 8 h, por 3 dias; após, 200 mg, a cada 12 h, por 3 meses, seguidos de manutenção com 200 mg/dia enquanto durar a imunossupressão, ou, se recuperação imunológica, por, pelo menos, 18 meses e CD4 > 150 cél/mm3, e, em zonas endêmicas, em indivíduos com CD4 < 150 cél/mm3, profilaxia com 200 mg/dia reduz pela metade sua incidência em 1 ano. Onicomicose: 200 mg/dia, por 12 semanas. Paracoccidioidomicose: 200-400 mg/dia, por 6 meses. MODO DE ADMINISTRAÇÃO VO. A presença de alimento aumenta a biodisponibilidade, assim como bebidas ácidas (refrigerante tipo cola e sucos cítricos). Evitar uso concomitante de drogas que alcalinizam o pH gástrico. EFEITOS ADVERSOS Náuseas (principalmente), vômitos, dor epigástrica e diarreia, aumento transitório de transaminases (principalmente com doses elevadas, também com hepatite e necrose hepática fulminante). Também foram relatadas parestesia, fraqueza, tontura, cefaleia, diminuição da libido, impotência, hipocalemia, hipertrigliceridemia e, possivelmente, síndrome de excesso de mineralocorticoide (dose > 600 mg/dia). Rash e prurido em cerca de 10% dos indivíduos. Doses elevadas podem desencadear quadro de insuficiência cardíaca, com ou sem arritmia, ou neuropatia periférica.

COMENTÁRIO
Não é bem absorvido por sonda nasogástrica pela necessidade de abertura da cápsula.
Indivíduos com acloridria não absorvem a droga.
Apresenta sinergismo com caspofungina, posaconazol, flucitosina e, eventualmente, anfotericina B (tratamento de feo-hifomicose no SNC). Em determinadas situações, pode apresentar sinergismo com anidulafungina. Os inibidores da calcineurina podem aumentar sua atividade.



Categoria: Medicamentos.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>