Doenças Nutricionais – Hipercolesterolemia


_

Hipercolesterolemia é a presença de quantidades de colesterol acima do normal no sangue.

SINAIS E SINTOMAS

A hipercolesterolemia por si só é silenciosa. Os sintomas costumam ser das doenças consequentes a ela, como um infarto agudo do miocárdio. Alguns tipos de hipercolesterolemia levam à alterações físicas específicas: xantoma (lesões encontradas na pele sob a forma de nódulos ou placa, devido ao acúmulo de colesterol em macrófagos), xantelasma palpebral (manchas amarelas ao redor dos olhos) e arco senil (descoloração branca ao redor da córnea). A hipercolesterolemia é um dos fatores envolvidos no desenvolvimento da aterosclerose. Esta pode se expressar através de várias complicações.Vai para

  • Angina pectoris: dores no peito causadas por falta de oxigênio no músculo cardíaco (miocárdio); a falta de oxigênio no músculo cardíaco é chamada de isquemia do miocárdio. Entre os tratamento para a Angina pectoris estão o uso crônico de medicações, uma angioplastia, que é uma dilatação de artéria para desobstrução da mesma ou uma cirurgia de revascularização miocárdica, como a ponte de safena.
  • Infarto agudo do miocárdio, comumente chamado de ataque cardíaco.
  • Ataque isquêmico transitório: Perda temporária (menos de 24 horas) de função cerebral por obstrução temporária da circulação.
  • Derrame ou Acidente vascular cerebral. Perda de função cerebral por obstrução temporária da circulação, por pelo menos 24 horas, as vezes definitiva, por obstrução da circulação.
  • Doença arterial periférica.

DIAGNÓSTICO

A partir da medida da quantidade total do colesterol e de suas frações. O colesterol é transportado em lipoproteínas. Conforme a densidade e tamanho destas lipoproteínas, elas são classificadas em Lipoproteínas de alta densidade (HDL), Lipoproteínas de baixa densidade (LDL) e Lipoproteínas de muito baixa densidade (VLDL). Os níveis de VLDL e LDL raramente são medidos devido aos custos. Os níveis de VLDL são deduzidos a partir dos níveis de triglicerídeos. A proporção de colestrol transportado nas VLDL é de 20% do total de triglicerídeos do sangue. Os níveis LDL costumam ser estimados através dos outros valores obtidos, através da Fórmula de Friedewald:

LDL = Colesterol Total – HDL – 0,20 . Triglicerideos\,

As várias lipoproteínas podem também ser analisadas através de eletroforese.

CAUSAS

A hipercolesterolemia pode ser consequencia de uma outra doença, como Diabetes, Insuficiência renal e Hipotiroidismo, ou surgir isoladamente (doença primária). Como controle dos níveis de colesterol envolve muitas enzimas e cada uma delas não sendo efetiva pode levar ao problema. A enzima não é ativada por ocorrer erros inatos do metabolismo, que pode ser genético. Não existe uma causa única. A doença é resultante de um “mosaico genético” apropriado e fatores ambientais, como padrão alimentar e nível de atividade física.

TRATAMENTO

O tratamento visa atingir metas. As metas são variáveis de pessoa a pessoa, conforme o estado geral de saúde.

Por exemplo, em uma mulher de 20 anos, com pressão normal, não fumante, sem história de famíliar de doença cardio-vascular, um nível de 210 mg/dL de colesterol total não necessita de tratamento, já que este tratamento muito pouco adicionaria de proteção aquela pessoa.
Já um senhor de 56 anos, diabético, com hipertensão arterial e que teve um infarto agudo do miocárdio há 1 ano, os mesmos níveis são de indicação não apenas de dieta, mas de uso contínuo de medicações, já que isto diminuirá muito a chance de um novo infarto.

A definição do rigor do tratamento tem variado, conforme novas informações são acrescentadas ao conhecimento médico. São ferramentas de tratamento:

  • Reorientação alimentar.
  • Otimização de atividade física.
  • Medicações:
  • Inibidores da hidroxi-metil-glutamil-coenzima-A redutase , as chamadas estatinas.
  • Derivados do ácido fíbrico, os chamados fibratos.
  • Suplementação de ácidos graxos ômega III.
  • Inibidores da captação de colesterol no intestino, seja por inibir a absorção no epitélio do intestino, seja por ligação a resinas que serão eliminadas nas fezes.

O mosaico genético que predispõe a hipercolesterolemia não é modificável. Sempre aquele indivíduo tenderá a elevar o colesterol. Desta maneira o acompanhamento e o tratamento tendem a ser perenes, com os ajustes feitos de tempos em tempos, conforme o envelhecimento da pessoa, o surgimento de outras doenças e modificações nas influências ambientais.

OUTROS FATORES DE RISCO CARDÍACO

A aterosclerose é a principal causa do infarto agudo do miocárdio e do derrame cerebral. Ela não depende apenas do colesterol, mas também de outros fatores, como:

  • Hipertensão arterial
  • Sexo masculino
  • Envelhecimento
  • Diabetes mellitus
  • Tabagismo (fumo)
  • Sedentarismo

Todos estes fatores devem ser visto de maneira equilibrada, já que a doença final é resultante da interação de todos eles.

Conteúdo retirado do site Wikipedia, de acordo com a GNU Free Documentation License.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>